Porcelanas Curitiba, Paraná

Encontre vendedores de porcelanas, especializados no setor de cerâmica, em Curitiba. Confira a lista de lojas desse segmento de negócios. Para comprar porcelanas, consulte os estabelecimentos localizados em Curitiba.

Luvaje Porcelanas Decorações
(41) 3023-4339
Rua Salomão Elias Feder 201
Curitiba, Paraná
 
Porcelana Schmidt
(41) 3391-2000
Avenida Porcelana 621
Campo Largo, Paraná
 
Exportrad
(41) 3018-4842
Rua Dom Pedro I 293 lj 1
Curitiba, Paraná
 
Cerâmica Joay
(41) 3348-1382
Rua Bôrtolo Pelanda 1489
Curitiba, Paraná
 
Olaria Dois Irmãos
(41) 3348-2346
Rua Nicola Pellanda, 5880
Curitiba, Paraná
 
Porcelanas Pequim
(41) 3393-5528
Rodovia BR-277 Curitiba Ponta Grossa km 121
Campo Largo, Paraná
 
Cerâmica Ribeiro
(41) 3265-6791
Rua Pedro Cavichiolo 3
Curitiba, Paraná
 
Ferraz Almeida Comércio de Joias Ltda
(41) 3253-0124
Avenida Anita Garibaldi 2480 lj 41
Curitiba, Paraná
 
Cerâmica Batel
(41) 3274-2011
Avenida Nossa Senhora Aparecida km 7
Curitiba, Paraná
 
Cerâmica São Marcos
(41) 3256-5882
Rua Ernesto Edmundo Weigert 290
Curitiba, Paraná
 

Porcelanas

Quando se seleciona um aparelho de jantar, há várias opções: cerâmica, cerâmica grés e porcelana. Entre os produtos de porcelana, existe a porcelana comum, porcelana fina e porcelana de ossos. Muitas residências sofisticadas têm no mínimo um aparelho de jantar para servir jantares mais requintados.
Você alguma vez já parou para pensar como a porcelana é feita? Neste artigo, iremos até a fábrica da Lenox em Kinston, na Carolina do Norte, para ver como a porcelana de ossos é feita.

O processo de produção

Os produtos de porcelana têm sido feitos e usados por um longo tempo. Por volta do fim do século XVIII, um inglês chamado Josiah Spode desenvolveu uma nova fórmula para a porcelana que incorporava o uso de cinza de ossos calcinados. A adição da cinza de ossos na porcelana é feita até hoje na fábrica da Spode, como também em várias outras fábricas de porcelana incluindo a Lenox (em inglês). A Lenox é a única fabricante de porcelana de ossos dos EUA. Considerada a melhor porcelana por muitos, a porcelana de ossos é mais resistente e mais brilhante do que a porcelana comum e as variedades finas.

Fabricar a porcelana de ossos envolve uma série de etapas, desenvolvidas por profissionais especializados e máquinas sofisticadas. Quando se entra na fábrica da Lenox, fica-se impressionado com o tamanho do lugar: cerca de 14 mil m2. Embora a fábrica só produza porcelana de ossos, o processo mostrado aqui é basicamente o mesmo que os utilizados em outros produtos de porcelana.
Existem quatro processos principais para a fabricação da porcelana:

produção da argila
produção do molde
vitrificação
decoração
Todos esses processos dependem dos quatro elementos da natureza. Você verá nos próximos parágrafos que a terra (as matérias primas), o ar (existem mangueiras de ar por toda parte), o fogo (os fornos) e a água (usada durante todas as etapas de fabricação) são elementos necessários para produzir porcelana.

O processo de fabricação da argila começa no armazenamento das matérias-primas. Polias erguem sacos gigantescos de matéria-prima dos paletes localizados no chão da fábrica. Eles são levantados para uma plataforma e depois os sacos são colocados sobre enormes funis onde seu conteúdo será esvaziado.

Dos funis, a matéria-prima seca segue para um misturador de alta velocidade, onde os materiais são misturados com água para formar uma pasta. Essa pasta, armazenada em grandes tanques, irá mais tarde ser misturada para formar a mistura final e a barbotina.

Existem cinco componentes principais que fazem parte da mistura final:

cinza de ossos
caulim
argila plástica para cerâmica branca
silex
feldspato
Estas matérias-prima são produtos nacionais e importados. O feldspato usado nessa fábrica vem da Carolina do Norte, enquanto a cinza de ossos vem da Holanda e da Inglaterra.
A Lenox fabrica duas cores de porcelana de ossos. A venda de produtos de porcelana branca compõe 80% das vendas totais e a porcelana na cor marfim compõe os outros 20%.

Embora certos aditivos ou pigmentos sejam necessários para obter a cor marfim no produto final, no estado pastoso, as duas argilas têm uma cor cinza claro. Para diferenciar a mistura final das cores marfim e branca, tintura vegetal verde é adicionada à mistura de cor marfim. A tintura vegetal irá eventualmente queimar no forno. Se a tintura não for adicionada, não existe maneira de distinguir uma argila da outra. Isto também ajuda a evitar a mistura das duas argilas.

Durante o estágio argiloso, antes da vitrificação, todo resíduo de argila que não foi contaminado por detritos pode ser reaproveitado. Na realidade, todo o produto final na fábrica é feito de 80% de argila virgem e 20% de argila reaproveitada (sucata).

Depois de a mistura final ter sido preparada, ela é bombeada para um filtro prensa para remover o ar e a água da mistura. Com isso, o nível de umidade é reduzido para cerca de 20%. A mistura final que sobra em estado líquido é chamado de barbotina (falaremos sobre a barbotina mais à frente neste artigo).

As placas de argila formadas no filtro prensa são passadas através de uma extrusora para remover mais ar e transformar as placas achatadas em tubos. Estes tubos são chamados de argamassa. Com a aparência de um imenso pedaço de giz, cada argamassa pesa pouco mais de 13,6 kg.

Um braço robótico chamado de empilhador de argamassa pega a argamassa e a empilha em pirâmides sobre paletes cobertos com plástico. Esse plástico parece com filmes plásticos usados em cozinhas e são super aderentes. Rolos de cobertura de plástico ficam fixados nas paredes para serem cortados e cobrirem as pirâmides de argamassa. O plástico é dobrado de uma maneira que envolva toda pilha de argamassa formando uma tenda protetora para manter o nível de umidade.

Algumas pilhas de argamassa são marcadas somente para fabricação de xícaras. O nível de umidade dessa argamassa é de cerca de 15%.

Os moldes são usados para transformar a argamassa e a barbotina em pratos, xícaras, tigelas, jarras e outros utensílios de porcelana.
O processo de produção de moldes é uma parte fundamental na fabricação da porcelana.

Grandes moldes mestres de metal e gesso são usados para a produção de moldes. Para a fabricação de pratos, os moldes mestres de metal parecem duas calotas de carro que formam um sanduíche.

Para fazer um molde de produção, grandes sacos de gesso são misturados com água e canalizados para dentro de um grande balde móvel. Enquanto isso, os moldes mestres de metal são preparados com a pulverização de uma mistura saponácea na parte interna. Este resíduo ajudará mais tarde na liberação do molde de produção. Os moldes de metal são alinhados um atrás do outro em três filas de mesas. Cada molde repousa em cima de um objeto que parece um prato giratório de madeira.

O balde móvel é usado para preencher os moldes de metal com gesso cremoso e espesso. É preciso duas pessoas para se fazer isso. Uma pessoa derrama o material enquanto a outra gira o molde de metal para ter certeza de que o gesso será distribuído igualmente.

Leva aproximadamente 20 minutos para o gesso secar. Um martelo de borracha é usado para soltar o molde de produção com leves batidas em torno do metal. O molde é liberado quando as duas metades são separadas.

Mangueiras de ar são usadas para retirar pedacinhos de gesso que sobraram no molde de metal e para limpar os moldes de gesso, removendo qualquer excesso de partículas. Em uma mesa ao lado, um funcionário inspeciona cada molde e o carimba com a data do dia, ajudando a controlar o número de vezes que ele é usado.

Cerca de 300 moldes são feitos na Lenox todos os dias. Esses moldes podem ser usados das seguintes maneiras: com a argamassa de argila ou com a barbotina.